XVII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DA MORTALIDADE POR INSUFICIÊNCIA CARDÍACA NO BRASIL DOS ANOS DE 2012 A 2017

Resumo

INTRODUÇÃO: A insuficiência cardíaca (IC) é uma síndrome de disfunção ventricular, que acarreta dispneia e fadiga. Atuando em diferentes áreas cardíacas, a insuficiência ventricular direita desencadeia acúmulo de líquidos abdominal e periférico. O seu diagnóstico é clínico, mas pode ser complementado por radiografia de tórax, ecocardiografia e níveis plasmáticos de peptídeo natriurético. A terapêutica é feita com base na educação do paciente, diuréticos, inibidores da ECA, bloqueadores do receptor de angiotensina II, betabloqueadores, antagonistas da aldosterona, inibidores da neprilisina, marcapassos/desfibriladores implantáveis e outros dispositivos. A IC possui prevalência de 1 a 2% na população e gera gastos públicos significantes.

METODOLOGIA: Este trabalho se configura como estudo epidemiológico retrospectivo. O estudo foi realizado por meio da coleta de dados de janeiro de 2012 a dezembro de 2017 pelo site Datasus, sendo computados pelo sistema Tabnet. A partir dos mesmos, pôde-se obter um conhecimento mais aprofundado dos óbitos pela IC ao longo do território nacional, propiciando um maior entendimento do impacto desta patologia na saúde pública brasileira.

RESULTADOS: De acordo com as ocorrências de janeiro de 2012 a dezembro de 2017, foram somados 7.505.291 casos de óbitos notificados de IC no Brasil, associados a diversas comorbidades, tais como: Diabetes Melitus tipo 2, Hipertensão Arterial Sistêmica e Dislipidemias; e fatores de risco, principalmente o tabagismo, muito prevalente ainda na sociedade brasileira. O estudo em questão revelou que as regiões com maiores números de óbitos são, de 2012 a 2017, em ordem decrescente: São Paulo (1.707.793 casos), Rio de Janeiro (797.849 casos) e Minas Gerais (783.276 casos).

CONCLUSÕES: A investigação dos fatores precipitantes de descompensação da IC, das taxas de admissões hospitalares e estratégias de intervenções para redução de desfechos desfavoráveis são necessárias. A adesão ao tratamento é um importante componente na melhora de desfechos no contexto da IC.

Área

Pesquisa Clínica

Instituições

UNIVERSIDADE BRASIL - Sao Paulo - Brasil

Autores

PATRICIA ZANATTA ANTUNES VIEIRA, FREDERICO SOARES DINIZ, AMANDA OLIVA SPAZIANI, RAISSA SILVA FROTA, LUCAS AURÉLIO PEREIRA DEL GROSSI, LUIZ FERNANDO AVEZUM DO PRADO, RAÍSSA MARJORY ZONTA MORETI, RAFAEL MORETTI DA COSTA, FLÁVIO HENRIQUE NUEVO BENEZ DOS SANTOS