XVII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Prevalência de casos de pericardite aguda nas diferentes regiões do país – uma análise de dados do DATASUS

Resumo

Introdução: A pericardite aguda é uma patologia comum mais causada pela inflamação do pericárdio, geralmente benigna e autolimitada. Pode ocorrer como uma entidade isolada ou como uma manifestação de patologia sistêmica. Tal comorbidade representa 5% de todas as causas de dor torácica. A etiologia principal são as infecções virais, embora também possa ser secundária a afecções sistêmicas. Esta se manifesta como uma síndrome febril com frequente acometimento de vias aéreas superiores, dor torácica e atrito pericárdico. A dor torácica pode variar com a respiração ou posição do tórax, variando também de intensidade e duração. Pode-se ter acometimento pleural, associado a presença de derrame ou atrito pleural. Desta maneira, esta patologia pode estar associada a miocardite, que deve ser suspeitada na presença de exame clínico de disfunção ventricular aguda. Metodologia: Foram utilizadas as bases de dados do Datasus, com a utilização de filtros para delimitar as regiões do país, relacionando com o sexo, cor, ano, patologia. Resultados: A partir dos dados coletados no banco de dados do Datasus, pode-se inferir que a mortalidade por pericardite aguda, analisada por região, nos anos de 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017 foram maiores na região Sudeste. Analisando a partir do sexo, tanto masculino, tanto feminino tiveram maior incidência na mesma região. Vale ressaltar que no ano de 2015, no sexo masculino, não foram identificados dados relacionados a região Centro Oeste. Sob o mesmo aspecto, no sexo feminino, não foram identificados os dados relacionados a região Centro Oeste no ano de 2017. Em relação a raça, branca teve maior prevalência na região Sudeste. Conclusão: A partir dos resultados analisados, infere-se que há maior prevalência de casos de pericardite aguda na região Sudeste. Observa-se que os fatores relacionados a região, sexo, raça, tem maior número na região Sudeste. Sobre algumas implicações teóricas dos resultados, é importante frisar que as patologias de origem cardíaca podem ser desencadeadas por fatores extrínsecos e intrínsecos, podendo modificar esse panorama a partir de medidas preventivas como programas de prevenção dos fatores de risco, abordagens economicamente atrativas, intervenções factíveis e custo efetivo para uma redução da mortalidade.

 

Área

Pesquisa Clínica

Instituições

UNIVERSIDADE BRASIL - Sao Paulo - Brasil

Autores

FREDERICO SOARES DINIZ, PATRÍCIA ZANATTA ANTUNES VIEIRA, AMANDA OLIVA SPAZIANI, TALITA COSTA BARBOSA, RAISSA SILVA FROTA, VISLAINE DE AGUIAR MORETE, OTÁVIO LEÃO DA SILVEIRA, ANDRESSA DA SILVA MACHADO PAULINO, FLÁVIO HENRIQUE NUEVO BENEZ DOS SANTOS