XVII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

MORTALIDADE DE PACIENTES ACOMETIDOS POR DOENÇA REUMÁTICA CRÔNICA DO CORAÇÃO

Resumo

INTRODUÇÃO: As doenças reumáticas crônicas do coração são afecções relacionadas valva cardíacas, resultando em estenose ou insuficiência, além de outras doenças como miocardites e pericardites. As doenças ligadas ao aparelho circulatório, de um modo geral, são as principais causas de mortalidade no Brasil. OBJETIVO: O presente trabalho teve como objetivo apresentar os índices de mortalidade hospitalar por sexo segundo as 5 regiões brasileiras, devido doenças reumáticas crônicas do coração, entre abril de 2017 e abril de 2019. METODOLOGIA: Foi realizado um levantamento sobre a mortalidade em relação ao sexo por doenças reumáticas crônicas do coração no Datasus referente às 5 regiões brasileiras durante o período de abril de 2017 a abril de 2019. Dentre a “morbidade hospitalar do SUS – por local de internação – Brasil” selecionou-se “taxa mortalidade por sexo segundo região”. Em relação às seleções disponíveis no Lista Morbidade CID -10 foram selecionadas “IX. Doença reumática crônica do coração”. RESULTADOS: O paciente com cardiopatia reumática crônica apresenta manifestações clínicas anos ou décadas após o primeiro episódio de febre reumática. E os sintomas dependem do padrão de lesão valvar e da valva acometida. Dentre os anos em que foi feito o levantamento de dados, houve uma taxa de mortalidade constante, que se manteve entre 7 e 10, com igual distribuição em ambos os sexos e entre as cinco regiões do país. O maior número foi constatado na região Centro-Oeste, em pacientes do sexo feminino. CONCLUSÕES: Este trabalho, por meio de estatísticas, comprovou estas altas taxas de ocorrências relacionadas às doenças reumáticas crônicas do coração. Assim, devido tamanha gravidade e consequente piora na qualidade de vida da população, nota-se que o tratamento deste grupo de doenças deve ser realizado o mais rápido possível, visto que a cardiopatia aparece após certo tempo da ocorrência da febre reumática. Ambos os sexos são acometidos na mesma proporção, porém a região centro-oeste apresentou números mais significativos, o que indica a necessidade de certa atenção para esta área. Políticas públicas de conscientização dos fatores de risco e maiores investimentos para o tratamento da febre reumática são duas alternativas a serem consideradas.

Área

Pesquisa Básica

Instituições

UNIVERSIDADE BRASIL - Sao Paulo - Brasil

Autores

GUILHERME RUIZ POLATTO, Natasha Ohana Marinho Rosa, João Gabriel Goulart Zanon, Amanda Oliva Spaziani, Dieison Pedro Tomaz da Silva, Raissa Silva Frota, Lindemberg Barbosa Júnior, Maria Fernanda de Aguilar Azevedo, Vislaine de Aguiar Morete