XVII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

COMPARAÇÃO DA HOMEOSTASE GLICÊMICA EM MULHERES COM DIFERENTES FENÓTIPOS CARDIOMETABÓLICOS E DE ADIPOSIDADE - NUTRITIONIST HEALTH STUDY

Resumo

Introdução: A obesidade é uma doença complexa de origem multifatorial, que se apresenta sob os fenótipos metabolicamente saudável e obeso, podendo também haver indivíduos magros com perfil metabólico de obesos (MMO). Objetivou-se comparar componentes da homeostase glicêmica (resistência à insulina, secreção de insulina e glucagon) entre os fenótipos: magro metabolicamente saudável (MMS), MMO, excesso de peso metabolicamente saudável (EPMS) e obeso (EPMO). Métodos: Estudo transversal, com 82 mulheres (18-45 anos), sendo: 29 MMS, 14 MMO, 23 EPMS e 16 EPMO. Foi considerado excesso de peso índice de massa corporal ≥ 25 kg/m² e saúde metabólica a ausência de alterações pressóricas, glicêmicas, lipêmicas e de doenças cardiovasculares. Os componentes da homeostase glicêmica foram avaliados pelo teste de refeição padrão com 6 coletas de sangue, com determinação das áreas abaixo da curva (AUC) de glicose, insulina, peptídeo C e glucagon. A resistência à insulina foi avaliada pelo Oral Glucose Insulin Sensitivity Index. Testes estatísticos: Kruskal Wallis, ANOVA e post hoc de Duncan. Resultados: A resistência à insulina esteve diminuída nos grupos EPMO [413 (335 – 455)] e EPMS [463 (419 – 490)] em comparação aos MMS [493 (452 – 524)] e MMO [496 (451 - 526)] (p=0,010). As AUC de glicose e insulina não diferiram entre os 4 grupos estudados. A AUC de peptídeo-C esteve aumentada no grupo EPMS [1648.58 (1166.10– 1509.30)] em comparação ao MMS [1040 (901 -115)] (p=0,007) e a de glucagon esteve diminuída no grupo EPMO [41980 (38112– 42210)] em comparação ao MMS [62875 (48289 -69528)] (p=0,047). Conclusão: Para indivíduos com mesma idade e controle glicêmico, houve maior resistência à insulina para o fenótipo EPMO. Concomitantemente, os níveis de peptídeo C estiveram aumentados e os de glucagon diminuídos. Estes achados refletem adaptações das células β e alfa pancreáticas para o quadro de resistência à insulina presentes no fenótipo EPMO. Para as comparações entre os fenótipos com o mesmo índice de massa corporal não houve diferença no perfil de homeostase glicêmica.

Área

Pesquisa Clínica

Instituições

FACULDADE DE CIENCIAS MÉDICAS – UNICAMP - Sao Paulo - Brasil

Autores

FRANCIELI BARREIRO RIBEIRO, Isabela Solar, Renata G B O N Freitas, Alfredo Shigueo Hanada, Vinicius Ferreira dos Santos, Camila Machado Xavier, Bruno Geloneze, Sandra R G Ferreira, Ana Carolina Junqueira Vasques