XVII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Perfil lipídico dos pacientes com infarto agudo do miocárdio e sua relação com área miocárdica infartada

Resumo

Introdução: A área miocárdica infartada (AMI) tem implicações prognósticas na sobrevida e qualidade de vida após evento isquêmico coronário agudo. O perfil lipídico tem sido associado com a carga aterosclerótica e mortalidade por doença isquêmica do coração, entretanto, sua relação com a massa infartada e função ventricular é menos estabelecida. Objetivos: Avaliar se o perfil lipídico (colesterol total, HDL, LDL, não-HDL e triglicérides) correlaciona-se com a AMI e a fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE), quantificados por ressonância magnética cardíaca em pacientes com infarto agudo do miocárdico com elevação do segmento ST (IAMCST) na estratégia fármaco invasiva após 30 dias do evento índice. Métodos: Estudo prospectivo, sendo as variáveis testadas por análise univariada. Foram avaliados 109 pacientes com diagnóstico de IAMCST tratados por estratégia fármaco invasiva, com trombólise nas primeiras 6h e encaminhados ao nosso hospital universitário terciário para estudo hemodinâmico e intervenção percutânea se necessária nas primeiras 24h do IAMCST. Os exames laboratoriais foram coletados nas primeiras 24h da admissão. A função ventricular e massa infartada foram quantificadas por ressonância nuclear magnética cardíaca no 30º dia pós IAMCST. Foram comparados os pacientes com AMI no percentil 75 (22,7%) ou superior da amostra com os de menor massa infartada (percentil <75). Da mesma forma foram comparados os com FEVE mais baixa correspondente ao percentil 25 (41,95%) com os demais de maior FEVE, comparando o perfil lipídico entre eles. Resultado: Foram observados que os valores lipídicos em relação aos grupos de maior e menor AMI não diferiram significantemente: colesterol total (p=0,06); LDL-C (p=0,05); HDL-C (p=0,54); Não HDL-C (p=0,06) ou triglicérides (p=0,44). Entretanto, os pacientes com menor FEVE (< 41,95%), tinham valores mais elevados para o colesterol não HDL (p<0,038) e para o colesterol total (p<0,05); sem diferença significativa nos demais valores: LDL-C (p=0,05); HDL-C (p=0,64); triglicérides (p=0,09). Conclusão: Evidencia-se que lipoproteínas potencialmente aterogênicas mensuradas no primeiro dia do IAMCST podem influenciar parâmetros relevantes na evolução destes pacientes, como função ventricular estimada.

Área

Pesquisa Clínica

Instituições

UNIFESP - Univers. Federal de São Paulo - Sao Paulo - Brasil

Autores

GUILHERME CAMPOS ARAUJO, Vinicius Magaton Lima, Edgar Rossi Depieri, Gabriel Kanhouche, João Paulo Santos Barenco, Jefferson Camilo Souza, Gabriela Menichelli Medeiros, Edielle Sant Anna Melo, Francisco Antonio Helfenstein Fonseca