XVII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Daunorrubicina associada a nanopartículas lipídicas reduz a inflamação e lesões aórticas em modelo de aterosclerose em coelho

Resumo

Nanopartículas lipídicas (LDE) preparadas em laboratório com estrutura e composição semelhantes à LDL concentram-se em locais com altas taxas de proliferação celular, como nas lesões ateroscleróticas e tumores malignos. A daunorrubicina (DNR) é um agente quimioterápico antiproliferativo e sua associação com a LDE já foi estudada em modelo de câncer murino, não apresentando toxicidade relevante. 12 coelhos machos New Zealand foram submetidos a uma dieta com colesterol 1% durante 8 semanas para a indução de aterosclerose. Após 4 semanas da dieta, os animais foram divididos em: Grupo LDE-DNR (6mg/kg EV, n=6), tratados semanalmente com DNR associada à LDE; Grupo LDE (EV, n=6), tratados com LDE apenas. Além disso, foi designado um grupo Controle de 3 animais, os quais não foram submetidos à indução de aterosclerose. Consumo de ração, perfil lipídico e hematológico, peso corporal e ecocardiograma foram avaliados antes do início da dieta rica em colesterol, no pré-tratamento e pós-tratamento. Morfometria e expressão proteica foram realizadas em segmentos das aortas. Como esperado, a dieta rica em colesterol administrada aos grupos LDE-DNR e LDE aumentou acentuadamente o colesterol total, o HDL-C e o não-HDL-C. No grupo LDE-DNR as lesões aórticas foram 50% menores em comparação ao grupo LDE. A expressão proteica dos marcadores inflamatórios CD68, TNF-α, IL-6 e NF-κB no grupo LDE-DNR foi menor que no grupo LDE. Fatores pró-apoptóticos caspase 3, caspase 9 e BAX também foram menores em LDE-DNR em relação ao grupo LDE. Pela ecocardiografia observou-se que as funções sistólica e diastólica foram preservadas tanto no grupo LDE-DNR quanto no LDE e não houve diferença na massa cardíaca entre os 3 grupos. No grupo LDE o peso relativo do coração estava maior que nos controles, o que não aconteceu com o grupo LDE-DNR. LDE-DNR não apresentou toxicidade observável no hemograma ou diferenças na ingestão de ração e peso corporal. O tratamento com LDE-DNR evitou o desenvolvimento de cardiomegalia observado no grupo LDE, onde o peso relativo do coração estava aumentado em relação ao grupo controle. O tratamento com LDE-DNR reduziu as lesões ateroscleróticas da aorta, diminuiu a expressão proteica dos fatores pró-inflamatórios e pró-apoptóticos e preservou a função cardíaca, não apresentando toxicidade hematológica ou outras toxicidades aparentes

Área

Pesquisa Básica

Instituições

INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - Sao Paulo - Brasil

Autores

CAMILA INAGAKI DE ALBUQUERQUE, Elaine Rufo Tavares, Maria Carolina Guido, Natalia Menezes Lopes, Roberta Vanalli Baroni, Leonardo Jensen, Bruna M O Silva, Thauany M Tavoni, Raul Cavalcante Maranhão